Essa mulher decidiu compartilhar o que os energéticos fizeram ao seu marido enquanto ela estava grávida de 9 meses

By admin, December 16, 2017

article by pagez.com 50%

Emocionante! Fica a questão: as pessoas deveriam levar mais a sério os perigos das bebidas energéticas?

article by pagez.com 50%
Para alguns de nós, as bebidas energéticas são ferramentas utilizadas para aguentar a agitação do dia-a-dia.

A maioria das pessoas, no entanto, raramente considera como toda essa cafeína e açúcar realmente afetam seu corpo.

Em abril, um adolescente na Carolina do Sul morreu de repente de uma overdose de cafeína agravada por bebidas energéticas.

A cafeína é um estimulante do sistema nervoso central e, por isso, ajuda a deixar as pessoas mais alertas. “Cada latinha de energético equivale a cerca de três xícaras de café, bebida que também é rica na substância.

Em meio a isso, uma corajosa mulher, mãe e esposa decidiu compartilhar com o mundo a história de sua família.


“Olá, meu nome é Brianna, e esta é a minha história.

Amor não está nas pequenas coisas. Não são os telefonemas, as datas ou mesmo as memórias. Amor é saber que você poderia sacrificar coisas que você sequer imaginaria que pode sacrificar. Amor é ser altruísta.

Já sentiu que sua vida foi chacoalhada? Já passou por uma turbulência emocional tão forte em que tudo ao seu redor se tornou distorcido e abalado?

Eu tive uma experiência assim, e nunca imaginei que isso pudesse acontecer… tudo isso quando eu estava grávida de 9 meses do meu primeiro filho.

Estar grávida é supostamente uma das mais incríveis jornadas da vida que você vai embarcar. Você está criando uma nova vida. Está experimentando amor incondicional por alguém que você sequer conhece.

Austin, meu marido, estava muito ansioso para conhecer nosso pequeno garoto. Para trazê-lo para casa. Para sermos uma família.

Ele criou um hábito para lidar com o agitado horário de trabalho, nunca imaginando que isso o levaria ao hospital.”

“Ainda me lembro da minha sogra me acordando naquela noite. “Austin teve um acidente”.

Tudo o que eu sabia era que meu marido estava no hospital. A pior parte: eu nem sabia o porquê!

Depois de duas horas dirigindo até o hospital, eu entendi que o meu marido, o pai do meu filho, a pessoa a quem amo tão profundamente, teve uma hemorragia cerebral. Por que?

Os médicos concluíram que (depois de horas analisando os exames toxicológicos) que o terrível evento acontecera pelo recente uso excessivo de bebidas energéticas – hábito que desenvolveu para lidar com o excesso de trabalho e longas horas de trânsito).

Após agonizantes 5 horas de cirurgia, nós fomos vê-lo. Mas enquanto a atenção de todos era para sua face, quase irreconhecível por estar ligada a vários aparelhos e tubos, tudo o que eu podia ver eram seus pais.

Pude ver que a luz deixou os olhos de sua mãe ao verem o seu seu filho imóvel deitado na cama do hospital. Eu vi seu pai se desmantelar chorando, enquanto segurava sua esposa.”

Múltiplas cirurgias mais tarde, Austin ficou com um buraco irreparável na frente do crânio e uma esposa a ponto de dar à luz seu primeiro filho.

“No dia seguinte foram duas rodadas de cirurgia no cérebro. Depois disso, foram derrames, convulsões, inchaço e mais coisas para as quais não estávamos preparados.

Eu sabia que em breve ele estaria bem, que nunca iria desistir dele. Por mais confusa que seja nossa vida, eu estaria ao seu lado através de tudo isso.

Depois de duas semanas de vida em um hospital, perguntando-se se ele sobreviveria ou seria tirado de nós, abrimos o caminho para casa.

Chegava o nosso bebê “.

Ainda sob o estresse de lidar com a recuperação de Austin, Brianna enfrentou a monumental tarefa de levar seu filho ao mundo.

“Eu não vou mentir para ninguém, foi muito difícil.

Eu planejei que Austin fosse parte desse momento. Queria ele ao meu lado. Segurando minha mão. Que estivesse lá para receber nosso filho no mundo. Sentia que algo não estava correto…

Mas um milagre maravilhoso aconteceu com a chegada do nosso filho. Austin acordou.

Fiquei cerca de uma semana sem vê-lo. Pensei nele todos os dias. Eu chorei quando olhei para o meu filho que parecia exatamente com seu pai.

Quando o bebê tinha apenas uma semana de idade, o deixei com meus sogros.

Eu sabia que precisava ver Austin. Eu precisava dizer-lhe que nosso bebê estava aqui. Para dizer-lhe o quanto precisamos dele.

Milagrosamente, Austin despertou de sua experiência traumática pouco depois do nascimento e, finalmente, conheceu seu bebê 2 meses depois


“As semanas passaram. Viajamos muito à medida que mais operações e procedimentos foram necessários.

Com pouco mais de 2 meses de idade, nosso filho finalmente conheceu seu pai. Houve um momento em que eu não tinha certeza de que eu o veria novamente.

Mas esse foi o dia em que meu coração recuperou sua felicidade de volta. Algum tempo depois, ele poderia finalmente chegar em casa para mim.

Nossa vida não é normal. Há visitas médicas e visitas hospitalares – tantos que eu perdi a contagem.

Mas estamos aqui. Firmes combatentes.”

Agora, Brianna cuida não só de seu novo filho, mas também de seu marido, permanentemente incapacitado, um papel que ela aceita com força.

“Eu acordo todos os dias para cuidar do nosso lindo garoto e do meu marido.

Eu preparo as refeições, faço terapia física, terapia fonoaudiológica e terapia ocupacional. Eu o ajudo com higiene pessoal. Eu o ajudo a andar. Eu o ajudo com todos os aspectos de sua vida “.

Essas fotos pungentes, tiradas pela fotógrafa Sara Endres, de Sacramento, capturaram a beleza e a dor dessa jovem família.


“E entre essas tarefas eu cuido do nosso filho de oito meses de idade. É difícil, e estou cansada, mas aproveitamos ao máximo. ”

Sua história é angustiante, mas também um testemunho da existência do verdadeiro amor e auto-sacrifício

“Ele não é o mesmo homem com quem me apaixonei, mas estamos lutando para ajudá-lo a se recuperar. Para melhorar sua vida. Um dia chegaremos lá.

Até lá, nunca vou desistir dele. Porque o amor é abnegado e eu o amo mais do que a própria vida”.

article by pagez.com 50%
As pessoas deveriam levar mais a sério os riscos para a saúde das bebidas energéticas?

What do you think?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *